DeTomaso Pantera – história e curiosidades

Detomaso Pantera: história, curiosidades Detomaso Pantera: história, curiosidades

DeTomaso Pantera – história e curiosidades: A fusão da carroceria italiana com um motor dos Estados Unidos não era novidade para os anos 70. Alguns fabricantes de carros utilizavam grandes motores americanos em elegantes carrocerias europeias.

O Pantera possuía ainda o toque do visionário argentino, Alejandro DeTomaso, unindo então 3 diferentes nacionalidades em um só projeto de carro esportivo.

História DeTomaso

Alejandro De Tomaso – um ex-piloto argentino – fundou sua própria empresa em 1959 como construtor de protótipos e carros de corrida.

DeTomaso Pantera - história e curiosidades

Logo ele se aventurou na construção de seus próprios modelos esportivos de produção de estrada com o Vallelunga em 1963. O projeto deu início a seu relacionamento com a Ford Motor Company.

DeTomaso Pantera - história e curiosidades
Vallelunga 1963

O impressionante carro esportivo com motor central era movido por uma versão de 104 cv do motor Ford de quatro cilindros.

Três anos depois, em 1966, De Tomaso revelou o imponente Mangusta, desta vez com um motor Ford americano, em vez de um da Ford Europa.

DeTomaso Pantera - história e curiosidades
DeTomado Mangusta

O Mangusta representou o molde no qual De Tomaso seria criados em um futuro próximo: Carroceria da Ghia (uma subsidiária da De Tomaso), motorizada pela americana Ford V-8.

DeTomaso Pantera

DeTomaso Pantera – história e curiosidades, seu lançamento e sucesso logo de cara.

O próximo carro de De Tomaso o tornaria uma marca verdadeiramente reconhecida em todo o mundo, mas principalmente nos Estados Unidos.

DeTomaso Pantera - história e curiosidades

O Pantera, escrito por Tom Tjaarda de Ghia, daria o próximo passo lógico do Mangusta.

Ele também teria um V-8 americano, desta vez um 351-cu.in Cleveland. Mas ao contrário do Mangusta, o Pantera teria um monobloco.

Uma suspensão totalmente independente proporcionou excelente manuseio, mais segurança e melhor dirigibilidade.

Atrás das rodas de magnésio leves e elegantes Campagnolo escondiam os freios a disco Girling com rotores sólidos e pastilhas Ferodo.

Os primeiros 351 com compressão de 10,7 produziam 310cv a 5.400 RPM, mas isso apenas nos modelos de 1971 e 1972;

Os carros de 1973 a 1974 tiveram sua compressão reduzida para 8,6, o que reduziu a potência para 266cv.

E ao contrário do Mangusta, que só conseguiu encontrar 400 proprietários, o Pantera seria um verdadeiro supercarro produzido em massa.

Por meio de um acordo com a Ford, o DeTomaso Panteras seria vendido por meio da rede existente de revendedores Lincoln e Mercury da Ford.

No início, parecia um grande negócio para as duas empresas. A De Tomaso tiraria vantagem de um canal existente, com todo o suporte de vendas e serviços de que precisaria.

Os revendedores Lincoln e Mercury teriam acesso a um supercarro, algo que nem mesmo sua empresa-mãe tinha nos showrooms. Mas a lua de mel não duraria muito.

Apesar da natureza à prova de balas do 351 Cleveland, problemas de qualidade atormentaram os primeiros carros.

A crise de combustível também não ajudou. No final, 6.128 Panteras deixaram a fábrica de Modena sob o arranjo da Ford, antes que a Ford desligasse a tomada em 1973.

O carro permaneceu em produção limitada, e finalmente foi retirado em 1993.

Pantera 1972 by JS autos antigos

DeTomaso Pantera – história e curiosidades : conheça um modelo à venda na JS Autos antigos.

DeTomaso Pantera - história e curiosidades

Trata-se de um De Tomaso Pantera 1972 à venda na Js Autos antigos

Motor V8 – 351 Cleveland com 4 carburadores,

DeTomaso Pantera - história e curiosidades
DeTomaso Pantera - história e curiosidades

Câmbio mecânico de 5 marchas

Vidros elétricos

Painel – grade – lanternas – parachoques – emblemas e rodas originais.

Modelo raro para venda no Brasil, carroceria desenhada pelo Studio Ghia.

DeTomaso Pantera - história e curiosidades

Galeria de fotos

Veículo disponível na JS autos antigos.